logo

Bio 2

Minha História

Marta Suplicy nasceu em São Paulo, em 18 de março de 1945. É filha do industrial Luiz Affonso Smith de Vasconcellos, e de Noemia Fracalanza Smith de Vasconcellos.
Primeira filha do casal, Marta cresceu no bairro do Jardim Paulista ao lado dos irmãos Ziziu, Tetê e Xina. Cursou o primário no Externato Madre Alix, o ginasial no Colégio Des Oiseaux e o secundário no Nossa Senhora de Sion.
Desde cedo mostrou inclinação por participar e discutir as questões de seu tempo. Ao lado de colegas, fundou o centro acadêmico do Colégio Sion. Formou-se pela PUC-SP e, em 1966, aos 21 anos, já casada com Eduardo Suplicy, mudou para os Estados Unidos, onde fez pós-graduação em Psicologia Clínica na Michigan University.

Em 1981, filiou-se ao Partido dos Trabalhadores (PT). Pelo partido foi deputada federal, prefeita de São Paulo, ministra do Turismo e da Cultura e senadora. Ingressou no PMDB em setembro de 2015 e desfiliou-se do partido em agosto de 2018. Atualmente cumpre seu último ano como senadora por São Paulo.
É casada com o empresário Márcio Toledo. Tem três filhos: Eduardo (o Supla), André e João e seis netos, Téo, Bernardo, Rafael, Maria Luíza, Laura e Felipe.

Tv Mulher

O ‘TV Mulher’ foi o primeiro programa da tv aberta brasileira dirigido ao público feminino, na década de 1980. Marta Suplicy, como psicanalista e sexóloga comandava o quadro ‘Comportamento Sexual”. Recebia cartas das telespectadoras com dúvidas referentes à sexualidade, comportamento, saúde feminina e respondia às suas dúvidas no ar, quando o país ainda vivia sob o regime ditatorial.

O programa seguiu para a TV Manchete por mais dois anos, sob a direção de Nilton Travesso, o quadro ganhou a forma de programa e passou a se chamar Conversando sobre Sexo.

Deputada Federal

Marta se elegeu deputada federal pelo Partido dos Trabalhadores (PT) e cumpriu seu mandato entre 1995 e 1998. Foi autora da lei que obrigou, pela primeira vez na história do país, a legislação eleitoral a estabelecer cota mínima de participação de mulheres candidatas em eleições proporcionais (30% atualmente). Um segundo grande marco de seu mandato, foi a proposição do projeto de lei de parceria civil para pessoas do mesmo sexo.

Prefeita

Em 2000, Marta Suplicy foi eleita prefeita de São Paulo com 3.248.177 milhões de votos (58,51% dos votos válidos). Uma das grandes marcas de sua gestão à frente da maior cidade do país foi o investimento na educação. E o símbolo dessa prioridade foram os CEUs – Centros Educacionais Unificados, que reuniam num mesmo espaço escola, esporte, lazer e cultura.

Marta também atou fortemente na mobilidade da cidade mais populosa do país, atacando diretamente a “Máfia dos Perueiros”, renovou o consórcio de ônibus, instituiu o ‘Bilhete Único’ e construiu 76 km de corredores exclusivos.

Ministra do Turismo

Marta assumiu o Ministério do Turismo em março de 2007 e permaneceu à frente da pasta até junho de 2008, durante o governo Lula.

Em sua passagem pela pasta, marcou uma gestão de projeto inovadores. Elaborou o segundo Plano Nacional do Turismo (2007/2010), criou o Programa Viaja Mais Melhor Idade e reestruturou o Programa de Desenvolvimento do Turismo no Nordeste (Prodetur Nordeste II).

Ministra da Cultura

Em 2012, Marta foi convidada a assumir a pasta da Cultura durante o governo Dilma Rousseff, entre setembro de 2012 e novembro de 2014.

Como ministra, articulou a aprovação de projetos junto ao Congresso Nacional que estruturaram o setor, entre elas: o Sistema Nacional de Cultura, a Lei da Cultura Viva, a do Vale-Cultura, a do Ecad, a da PEC da Música.

Senadora

Marta foi eleita senadora por São Paulo com mais de 8 milhões de votos em 2010. Foi a primeira mulher a assumir a vice-presidência do Senado e, em 2017, assumiu a presidência da Comissão de Assuntos Sociais (CAS) para o biênio 2017-2018. Ao longo de seu mandato, orientou sua atuação em três eixos principais: o municipalismo, o empreendedorismo e os direitos humanos.

Marta foi a senadora que levou mais recursos para as cidades paulistas. Entre 2011 e 2018, indicou emendas ao Orçamento da União que somaram R$ 91,5 milhões. Esse dinheiro beneficiou centenas de municípios, principalmente em projetos área da saúde, uma prioridade de Marta. Em agosto de 2018, declarou sua saída da atividade político-partidária e encerrou seu mandato em janeiro de 2019.